Seja bem-vindo(a) ao Site da Paróquia São Geraldo

Acesse nossas Redes Sociais

Notícias

15/07 Notícias da Igreja Alerta vermelho para a saúde das crianças: COVID alimenta a maior queda nas vacinações nos últimos 30 anos
Compartilhar

Segundo a OMS e o UNICEF, o declínio deve-se a muitos fatores, incluindo o aumento do número de crianças que vivem em contextos de conflito e fragilidade, onde o acesso às vacinas é muitas vezes difícil, o aumento da desinformação e problemas relacionados com a COVID-19, como interrupções nos serviços e a cadeia de abastecimento, desvio de recursos para atividades de resposta à pandemia e medidas de contenção que limitaram o acesso e a disponibilidade dos serviços de vacinação.

Ouça a reportagem e compartilhe

Vinte e cinco milhões de crianças, em 2021, não receberam uma ou mais doses de DTP (vacina tríplice bacteriana indicada para prevenir a difteria, o tétano e a coqueluche ou pertussis) dos serviços de vacinação de rotina, 2 milhões a mais do que aquelas que pularam a vacinação em 2020 e 6 milhões a mais do que em 2019.

A cobertura da primeira dose do sarampo caiu para 81% em 2021, o nível mais baixo desde 2008. Isso significa que 24,7 milhões de crianças não receberam a primeira dose da vacina contra o sarampo em 2021, 5,3 milhões a mais do que em 2019. Outros 14,7 milhões não receberam a segunda dose necessária.

Em comparação com 2019, mais 6,7 milhões de crianças não receberam a terceira dose da vacina contra a poliomielite e 3,5 milhões não receberam a primeira dose da vacina contra o HPV.

Os números oficiais divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) registram a maior queda prolongada nas vacinações infantis em quase 30 anos.

A porcentagem de crianças que receberam três doses da vacina contra difteria, tétano e coqueluche (DTP3) – com um indicador de cobertura vacinal usada entre países – caiu 5 pontos percentuais entre 2019 e 2021, chegando a 81%.

Com este resultado, 25 milhões de crianças em 2021 não receberam uma ou mais doses de DTP dos serviços de vacinação de rotina. Isso é 2 milhões a mais do que aqueles que pularam a vacinação em 2020 e 6 milhões a mais do que em 2019, destacando o número crescente de crianças em risco de doenças terríveis, mas evitáveis.

O declínio deve-se a muitos fatores, incluindo o aumento do número de crianças que vivem em contextos de conflito e fragilidade, onde o acesso às vacinas é muitas vezes difícil, o aumento da desinformação e problemas relacionados com a COVID-19, como interrupções nos serviços e a cadeia de abastecimento, desvio de recursos para atividades de resposta à pandemia e medidas de contenção que limitaram o acesso e a disponibilidade dos serviços de vacinação.

Dezoito das 25 milhões de crianças não receberam nem mesmo uma dose de DTP durante o ano, a maioria das quais vive em países de baixa e média renda, com Índia, Nigéria, Indonésia, Etiópia e Filipinas apresentando os maiores números. Entre os países com os maiores aumentos relativos no número de crianças que não receberam vacinas entre 2019 e 2021 estão Mianmar e Moçambique.

Sarampo e poliomielite

A cobertura da primeira dose do sarampo caiu para 81% em 2021, o nível mais baixo desde 2008. Isso significa que 24,7 milhões de crianças não receberam a primeira dose da vacina contra o sarampo em 2021, 5,3 milhões a mais do que em 2019. Outros 14,7 milhões não receberam receber a segunda dose necessária. Da mesma forma, em comparação com 2019, mais 6,7 milhões de crianças não receberam a terceira dose da vacina contra a poliomielite e 3,5 milhões não receberam a primeira dose da vacina contra o HPV, que protege as meninas do câncer de colo do útero na velhice.

Alerta vermelho

“Este é um alerta vermelho para a saúde das crianças. Estamos vendo o maior declínio das vacinas infantis em uma geração. As consequências serão medidas em vidas humanas”, disse Catherine Russell, Diretora-Geral do UNICEF. “Enquanto no ano passado se esperava que a pandemia tivesse uma repercussão após as interrupções e fechamentos causados ​​pelo COVID-19, o que estamos vendo agora é um declínio persistente. O COVID-19 não é desculpa. Precisamos recuperar o atraso. Vacinas para milhões de crianças desaparecidas, caso contrário veremos inevitavelmente novas epidemias, mais crianças doentes e maior pressão sobre os sistemas de saúde já em dificuldades”.

Globalmente, mais de um quarto da cobertura vacinal contra o papilomavírus humano (HPV) alcançada em 2019 foi perdida. Isso traz sérias consequências para a saúde de mulheres e meninas, pois a cobertura global da primeira dose da vacina contra o HPV é de apenas 15%, apesar de as primeiras vacinas terem sido autorizadas há mais de 15 anos.

Esperava-se que 2021 fosse um ano de recuperação, durante o qual os programas de vacinação sobrecarregados seriam reabastecidos e o grupo de crianças não alcançadas em 2020 seria formado. Em vez disso, a cobertura de DTP3 foi empurrada de volta ao seu nível mais baixo desde 2008 e, juntamente com o declínio na cobertura de outras vacinas essenciais, afastou o mundo de alcançar metas globais, incluindo o indicador de vacinação para os Objetivos de Desenvolvimento.

Um cenário de taxas crescentes de desnutrição

Esse recuo histórico nas taxas de vacinação ocorre em um cenário de taxas crescentes de desnutrição aguda grave. Uma criança desnutrida já tem a imunidade enfraquecida, e vacinas perdidas podem fazer com que doenças infantis comuns se tornem rapidamente letais para ela. A convergência de uma crise de fome e uma crescente escassez de vacinação ameaça criar as condições para uma crise de sobrevivência infantil.

A cobertura de vacinação diminuiu em todas as regiões, com a região do Leste Asiático e Pacífico experimentando a maior reviravolta na cobertura de DTP3, caindo nove pontos percentuais em apenas dois anos.

Planejar e lidar com a COVID-19 deve andar de mãos dadas com a vacinação para doenças com risco de vida, como sarampo, pneumonia e diarreia”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Não é uma questão de um ou de outro, é possível fazer os dois.” 

Países que seguraram o declínio

Alguns países seguraram o declínio. Uganda manteve altos níveis de cobertura em programas de vacinação de rotina, ao mesmo tempo em que lançou um programa de vacinação direcionado contra o COVID-19 para proteger populações prioritárias, incluindo profissionais de saúde. Da mesma forma, o Paquistão voltou aos níveis de cobertura pré-pandemia graças ao envolvimento do governo de alto nível e aos esforços significativos de vacinação de recuperação. É de elogiar que isso seja alcançado em meio a uma pandemia, quando os sistemas de saúde e os profissionais de saúde estavam sob considerável pressão.

Serão necessários esforços monumentais para alcançar níveis de cobertura universal e prevenir epidemias. Níveis inadequados de cobertura já causaram surtos evitáveis ​​de sarampo e poliomielite nos últimos 12 meses, ressaltando o papel vital da vacinação na manutenção da saúde de crianças, adolescentes, adultos e sociedade.

O progresso de dez anos perdido em dois

A queda acentuada destes 02 anos segue quase uma década de progresso estagnado, ressaltando a necessidade de abordar não apenas as interrupções relacionadas à pandemia, mas também os desafios sistêmicos relacionados à vacinação para garantir que todas as crianças e adolescentes sejam atendidos.

A OMS e o UNICEF estão trabalhando com a Gavi, a Vaccine Alliance e outros parceiros para implementar a Agenda Global de Vacinação 2030 (IA2030), uma estratégia para todos os países interessados ​​e parceiros globais alcançarem os objetivos estabelecidos para a prevenção de doenças por meio de vacinações e fornecimento de vacinas para todos, em todos os lugares e em qualquer idade.

“É doloroso ver mais crianças perderem a proteção contra doenças evitáveis ​​pelo segundo ano consecutivo. A prioridade da Aliança deve ser ajudar os países a manter, restaurar e fortalecer as vacinações de rotina, juntamente com a implementação de planos ambiciosos de vacinação contra a COVID-19, não apenas por meio de vacinas, mas também com suporte estrutural personalizado para os sistemas de saúde que as administrarão”, disse Seth Berkley, CEO da Gavi, Aliança para as Vacinas.

Agenda Global de Vacinação 2030

Os parceiros do IA2030 convidam governos e interessados ​​a:

Intensificar os esforços de vacinação de recuperação para resolver os atrasos na vacinação de rotina e expandir os serviços de disseminação em áreas carentes para alcançar crianças desaparecidas e implementar campanhas para prevenir surtos;

Implementar estratégias personalizadas, centradas nas pessoas e baseadas em dados para criar confiança em vacinas e vacinas, combater a desinformação e aumentar a aceitação de vacinas, principalmente entre comunidades vulneráveis;

Garantir que a atual preparação e resposta à pandemia e os esforços para fortalecer a arquitetura global de saúde levem ao investimento em serviços de atenção primária à saúde (APS), com apoio explícito para fortalecer e apoiar vacinações essenciais;

Assegurar o compromisso político dos governos nacionais e aumentar a alocação de recursos nacionais para fortalecer e apoiar a vacinação na atenção primária à saúde;

Priorizar o fortalecimento dos sistemas de informação em saúde e vigilância de doenças para fornecer os dados e o monitoramento necessários para que os programas tenham o máximo impacto.

Alavancar e aumentar o investimento em pesquisa para desenvolver e melhorar vacinas e serviços de vacinação novos e existentes que possam atender às necessidades da comunidade e atingir as metas do IA2030.

Marília Siqueira – Vatican News
Imagem capa: Pixabay

VEJA TAMBÉM