Seja bem-vindo(a) ao Site da Paróquia São Geraldo

Acesse nossas Redes Sociais

Notícias

25/04 Notícias da Igreja Francisco: ainda hoje há muitos homens e mulheres escravizados
Compartilhar

Francisco recebeu participantes da Conferência de “Solidariedade Trinitária Internacional”, expressão da Ordem da Santíssima Trindade.

Ainda hoje há muitos homens e mulheres escravizados, disse o Papa Francisco recebendo na manhã desta segunda-feira, no Vaticano, os participantes da Conferência de “Solidariedade Trinitária Internacional”, expressão da Ordem da Santíssima Trindade. Depois de agradecer as palavras de saudação do Superior Geral Francisco disse que ficou impressionado ao ver como eles puderam atualizar o carisma da Ordem dando vida a esta organização, que defende a liberdade religiosa não de forma teórica, mas cuidando de pessoas que são perseguidas e encarceradas por causa de sua fé. Ao mesmo tempo – disse ainda -, não faltam estudo e reflexão da parte deles, que também encontram expressão na esfera acadêmica através do curso de estudos sobre liberdade religiosa no Angelicum, de Roma, uma cadeira com o nome de seu fundador São João de Matha.

Ouça e compartilhe

Francisco parabenizou os presentes por este compromisso que estão cumprindo, inspirado no carisma original. Voltando depois ao tempo de São Francisco de Assis, disse o Papa: “o Espírito Santo suscitou naquele tempo – como sempre faz, em todas as épocas – testemunhas capazes de responder, segundo o Evangelho, aos desafios do momento”.

“João de Matha foi chamado por Cristo a dar sua vida pela libertação dos escravos, tanto cristãos como muçulmanos. Ele não queria fazer isto sozinho, individualmente, mas fundou uma nova Ordem para este fim, uma ordem ‘em saída’, nova também em sua forma de vida, que deveria ser um apostolado ‘no mundo’. E o Papa Inocêncio III deu sua aprovação e seu total apoio”.

“Ordem da Santíssima Trindade e dos cativos”, ou seja, escravos, prisioneiros. Também esta combinação, destacou Francisco, faz refletir: a Trindade e os escravos. Não se pode deixar de pensar na primeira “pregação” de Jesus na sinagoga de Nazaré, quando leu a passagem do profeta Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim, / por isso ele me ungiu / e me enviou para trazer a boa nova aos pobres, / para proclamar a libertação aos cativos / … para libertar os oprimidos” (Lc 4,18; cf. Is 61,1-2).

Jesus é o Enviado do Pai e é movido pelo Espírito Santo. Nele, toda a Trindade opera:

“E a obra de Deus Amor, Pai, Filho e Espírito Santo, é a redenção do homem: por esta razão, Cristo derramou seu sangue na cruz. Em resgate por nós. Esta obra é prolongada na missão de toda a Igreja. Mas em sua Ordem encontrou uma expressão singular, peculiar, eu diria “literal” – um pouco como a pobreza em Francisco -, ou seja, o compromisso com o resgate dos escravos”.

Francisco recordou que este carisma é, infelizmente, de uma atualidade flagrante! Seja porque mesmo em nosso tempo, que se vangloria de ter abolido a escravidão, na realidade há muitos, demasiados homens e mulheres, até mesmo crianças reduzidas a viver em condições desumanas, escravizadas. Seja porque, como evidenciado durante a conferência, a liberdade religiosa é violada, às vezes pisoteada em muitos lugares e de várias maneiras, algumas rudes e óbvias, outras sutis e ocultas.

Antigamente, – disse o Papa – era costume dividir a humanidade entre bons e maus: “Este país é bom…”. – “Mas fabrica bombas!” – “Não, é bom” – “E este é mau…”. Não, hoje a maldade permeou a todos e em todos os países há bons e maus. A maldade, hoje, está em toda parte, em todos os Estados. Também no Vaticano, talvez!”

O Papa finalizou seu breve discurso agradecendo pelo trabalho da Ordem e os encorajou a prossegui-lo, também colaborando com outras instituições, eclesiais ou não, que compartilham de seu nobre propósito. Mas, por favor, disse, sem perder sua especificidade, sem “diluir” o carisma.

Silvonei José – Vatican News
Imagem capa: Francisco recebeu participantes da Conferência de “Solidariedade Trinitária Internacional” (Vatican Media)

VEJA TAMBÉM