Seja bem-vindo(a) ao Site da Paróquia São Geraldo

Acesse nossas Redes Sociais

Notícias

09/03 Notícias da Igreja Krajewski na Ucrânia: trago o amor do Papa a um povo em fuga
Compartilhar

O esmoleiro do Papa chegou ao país em guerra, levando o abraço do Papa àqueles que deixaram suas casas. Há muitos testemunhos de refugiados, especialmente mulheres sozinhas ou com filhos. Eles estão tentando chegar a um destino seguro depois de terem vivido o terror dos bombardeios e de terem perdido tudo. A Igreja e as organizações humanitárias foram mobilizadas, e seus membros relatam a tragédia de muitas delas.

Há muitas maneiras de estar perto daqueles que sofrem, com a ajuda material ou espiritual, com um simples telefonema ou levando um pensamento. Neste mosaico de vozes há aqueles que estão abertos a ouvir os que estão longe e aqueles que acolhem a dor das mulheres.

O abraço do Papa ao povo ucraniano

O cardeal Konrad Krajewski, esmoleiro do Papa, encontra-se agora na Ucrânia para levar a ajuda e a proximidade do Papa Francisco. “O Santo Padre me envia para manifestar seu amor para com as pessoas perseguidas, as pessoas que têm que se deslocar, as pessoas que têm que fugir de suas casas, dioceses e cidades”, explica o cardeal. O Papa quer abraçar a todos e estar perto deles e dizer-lhes que os ama”, acrescentou: “trago sua bênção, mas já a presença aqui na terra onde há guerra é muito significativa”. Quando eu encontro pessoas, o fato de você vir do Vaticano em nome do Santo Padre lhes diz tudo. Muitas vezes já vejo lágrimas porque o Papa está tão perto”.

Shevchuk: A Igreja está e estará com seu povo

A missão do cardeal Konrad Krajewski também é referida por Sua Beatitude Sviatoslav Shevchuk, arcebispo mor de Kiev-Halyč da Igreja greco-católica ucraniana, em sua habitual mensagem de vídeo. “Hoje”, disse, “queremos receber nosso convidado com dignidade e ajudá-lo a ver as feridas da Ucrânia”. “A Igreja está e estará com seu povo, nos lugares onde nossa presença é mais necessária”, para abraçar o povo e ajudá-lo a aliviar seu sofrimento. Enfim o agradecimento ao bispo de Chisinau, dom Antonyj Cosha, pelo “excepcional apoio e acolhimento de nossos migrantes, das pessoas que fogem” da Ucrânia para a Moldávia.

Pároco de Kiev: este pesadelo deve acabar

O padre Pavlo Vyshkovkyi é um Oblato de Maria Imaculada e pároco da Igreja de São Nicolau em Kiev. Ele conta os esforços que muitos dos fiéis e voluntários estão fazendo para ajudar as pessoas em dificuldade, que são forçadas a fazer fila por duas horas para conseguir pão. O padre explica que nestes tempos difíceis, muitas pessoas se aproximaram dos sacramentos e se abriram à fé. O Senhor”, disse o padre Pavlo, “trabalha também em momentos difíceis”. E há muitos desses momentos: vive-se o medo da guerra e as dramáticas consequências. “Há 900 crianças”, explicou ele, “que são deficientes por causa do conflito”. A esperança está na oração para que, concluiu o sacerdote, “este pesadelo possa acabar”.

A força das mulheres ucranianas

E neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, houve muitos eventos com foco especial nas mulheres ucranianas: durante as manifestações foi pedido acima de tudo que termine o conflito. Momentos dedicados às “irmãs ucranianas”, especialmente àquelas que sozinhas ou com seus filhos chegam às fronteiras desafiando as bombas e a violência. Muitas delas foram acolhidas na Moldávia pelas Irmãs Missionárias da Providência. A Irmã Rosetta Benedetti, em entrevista à Rádio Vaticano – Vatican News, relatou o drama de muitas delas.

A dor nos olhos

“Elas chegam assustadas e cansadas, fisicamente e interiormente, e nós tentamos dar-lhes o melhor de nós: alojamento, comida, roupas. Depois tentamos ajudá-las a chegar ao seu destino, longe do absurdo e da dor desta guerra. “Uma delas”, disse irmã Rosetta, “chegou em lágrimas, sem documentos, precisando ir à embaixada da Ucrânia na Moldávia”. Eu não sabia o que dizer”, confessa a religiosa, “e eu simplesmente a abracei, dizendo-lhe para não se preocupar”. Você está conosco, nós amamos você”.

Devin Watkins e Alessandro Guarasci – Vatican News
Imagem capa: Vatican Media

VEJA TAMBÉM