Seja bem-vindo(a) ao Site da Paróquia São Geraldo

Acesse nossas Redes Sociais

Notícias

24/03 Notícias da Igreja O Papa: “Mulheres, protagonistas da conversão”
Compartilhar

“Há uma conversão a ser feita: converter o poder com a lógica do domínio, em poder com a lógica do serviço, com a lógica do cuidado”. Palavras do Papa Francisco no seu encontro com as mulheres do Centro Italiano Feminino nesta manhã (24) no Vaticano

Na manhã desta quinta-feira (24), o Papa recebeu um grupo do Centro Italiano Feminino, que se dedica desde 1944 à contribuição da mulher na participação democrática, promoção humana e de solidariedade da sociedade.

Francisco iniciou seu discurso elogiando o tema do Congresso do Centro Feminino, ou seja, “Identidade criacional do homem e da mulher em uma missão partilhada”, afirmando: “Esta é uma questão muito atual, não só e não tanto no sentido teórico, mas no sentido existencial, na vida das pessoas; penso particularmente nos meninos e nas meninas, nos jovens e nas jovens que, à medida que crescem, precisam de pontos de referência, figuras adultas com as quais se comparar”.

Mulheres que influenciam mudanças

Francisco iniciou uma reflexão recordando que a primeira presidente do Centro Feminino, Maria Federici Agabem, participou da redação de alguns artigos da Constituição Italiana, influenciando com a sua “filosofia” constitucional temas relacionados à solidariedade, subsidiariedade e laicidade do Estado. E disse também, recordando Pio XII, que a participação na vida política “não responde simplesmente à reivindicação da plena cidadania para as mulheres, mas é um ato de justiça para com a comunidade e uma valorização da política como forma de caridade”.

“Queridas amigas – continuou o Papa – hoje é claro que a boa política não pode vir da cultura do poder entendida como domínio total, mas apenas de uma cultura do cuidado, cuidado com a pessoa e sua dignidade e cuidado da nossa casa comum. Isto é comprovado, infelizmente de forma negativa, pela guerra vergonhosa que estamos testemunhando”. Concluindo seu pensamento disse: “Mas o problema básico é o mesmo: o mundo continua a ser governado como um ‘tabuleiro de xadrez’, onde os poderosos conspiram para estender seu domínio em detrimento de outros. A verdadeira resposta, portanto, não é mais armas, mais sanções, mais alianças políticas e militares, mas uma abordagem diferente, uma maneira diferente de governar o mundo”. Afirmando:

“O modelo da cura já está em vigor, graças a Deus, mas infelizmente está submetido ao do poder econômico-tecnocrático-militar”

Mulheres, protagonistas da conversão

Ao ponderar sobre suas palavras o Papa disse: “Por que fiz esta reflexão com vocês? Porque vocês são uma associação de mulheres, e as mulheres são as protagonistas desta mudança de rumo, desta conversão. Desde que não sejam homologadas pelo sistema de poder em vigor”. Francisco citou também Paulo VI no seu documento dedicado às mulheres no final do Vaticano II quando afirmou que ‘as mulheres que carregam o espírito do Evangelho podem fazer muito para ajudar a humanidade a não decair’. E disse: “O poder profético desta expressão é impressionante. De fato, ao adquirirem poder na sociedade, as mulheres podem mudar o sistema, se elas conseguirem, por assim dizer, converter o poder da lógica do domínio para a lógica do serviço, do cuidado.

“Há uma conversão a ser feita: o poder com a lógica do domínio, convertê-lo em poder com a lógica do serviço, com a lógica do cuidado”

Mulheres que cuidam da vida
Francisco concluiu seu encontro com as mulheres afirmando:

“Falei com vocês sobre isso para lembrar a mim mesmo e a todos, começando por nós cristãos, que esta mudança de mentalidade diz respeito a todos e depende de cada um. É a escola de Jesus, que nos ensinou como o Reino de Deus sempre se desenvolve a partir da pequena semente”. “É a escola de Gandhi – disse ainda o Papa – que conduziu um povo à liberdade no caminho da não-violência. É a escola dos santos e das santas de todos os tempos, que fazem a humanidade crescer através do testemunho de uma vida passada ao serviço de Deus e do próximo. Mas é também – eu diria acima de tudo – a escola de inúmeras mulheres que cultivaram e cuidaram a vida; de mulheres que cuidaram dos frágeis, dos feridos, das chagas humanas e sociais; de mulheres que dedicaram suas mentes e seus corações para educar as novas gerações”.

Jane Nogara – Vatican News
Imagem capa: Vatican Media

VEJA TAMBÉM