Seja bem-vindo(a) ao Site da Paróquia São Geraldo

Acesse nossas Redes Sociais

Notícias

14/02 Notícias da Igreja Praça São Pedro em silêncio na oração pela Ucrânia: todos esforços pela paz
Compartilhar

O Papa nos convidou a rezar em silêncio pela crise no país do Leste Europeu, de onde chegam “notícias muito preocupantes”. Enquanto isso, a aumenta a tensão sobre uma iminente invasão russa. A diplomacia não mede esforços para evitar confrontos armados, mas até agora nenhuma abertura veio de contatos entre Biden e Putin. Para Kiev, os EUA provocam um alarmismo que só causa pânico.

Francesca Sabatinelli – Cidade do Vaticano

Ouça e compartilhe!

“As notícias que chegam da Ucrânia são preocupantes. Confio à intercessão da Virgem Maria e à consciência dos líderes políticos, para que sejam feitos todos os esforços pela paz. Rezemos em silêncio”.

Francisco, ao final do Angelus deste domingo, volta seu pensamento novamente à atual crise no país do Leste Europeu para expressar seus temores sobre uma situação que parece se agravar a cada dia.

A conversa entre Biden e Putin

A intensa atividade diplomática, bem como ligações telefônicas de alto nível entre líderes ocidentais e Moscou, não conseguem diminuir o nível de risco de uma iminente invasão da Ucrânia pela Rússia, que denuncia a “histeria” dos Estados Unidos, que, por sua vez, como fez o presidente Joe Biden em um telefonema com seu colega russo Vladimir Putin, ameaçou os russos com “retaliações sérias e rápidas” no caso de um ataque. Biden e Putin, no entanto, também garantiram que continuarão os contatos e continuarão comprometidos com a diplomacia.

As advertências de Blinken

Em uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, o secretário de Estado dos EUA, Blinken, alertou os russos sobre uma “resposta transatlântica resoluta e massiva” no caso de novas agressões russas. Blinken repetiu as mesmas ameaças na conclusão de uma cúpula trilateral com homólogos do Japão e da Coreia do Sul: no caso de uma invasão, a resposta será rápida, unida e pesada. O secretário de Estado também alertou que Moscou poderia usar uma provocação ou incidente pré-fabricado para justificar um ataque a Kiev.

As manobras da Rússia e dos EUA

O Kremlin, entretanto, continua a enviar soldados perto da fronteira – fala-se em mais de 100 mil unidades – e lançou manobras militares no Mar Negro e na Belarus, enquanto os Estados Unidos retiraram quase todos os militares presentes na Ucrânia, e fortaleceu a frente polonesa enviando novas tropas. Enquanto isso, Washington negou a presença de um de seus submarinos em águas territoriais russas, conforme denunciado pelos russos.

A crise mais perigosa desde a Guerra Fria

Para muitos observadores, esta é a crise mais perigosa na Europa desde o fim da Guerra Fria. Os russos estão mais uma vez pedindo a suspensão do que chamam de expansão da OTAN, bem como do apoio ocidental à Ucrânia, que Moscou nunca deixou de ver como parte de sua esfera de influência.

No último telefonema com seu colega francês Macron, o presidente russo Putin criticou o fornecimento de armas a Kiev, uma possível condição para ações “agressivas por parte de forças ucranianas”, na área oriental, onde a Rússia apoia separatistas armados, zona da qual a Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) está fazendo sair todos os seus observadores.

E a evacuação continua também por parte de muitos países, que estão retirando seus compatriotas da Ucrânia, assim como feito também por Moscou, que retirou parte de seu pessoal diplomático. Além dos Estados Unidos, Alemanha, Itália, Reino Unido, Holanda, Canadá, Noruega, Austrália, Japão e Israel, há também os países do Golfo Pérsico, incluindo Arábia Saudita, Catar, Bahrein e Emirados Árabes Unidos, pois – advertiram os Estados Unidos – a ofensiva russa pode começar a qualquer momento e sem aviso prévio.

Para diminuir o tom, as declarações do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, para quem as “declarações alarmistas estadunidenses não ajudam e só causam pânico”.

Vatican News
Imagem capa: Praça São Pedro durante o Angelus (Vatican Media)

VEJA TAMBÉM