Comunidade

Nossa Senhora Aparecida

Rua Papoula nº 530 - Bom Jardim – CEP: 35162 292 – Ipatinga- MG

No ano de 1989, com o término do mutirão Nova Conquista, no Bairro Bom Jardim, iniciaram-se as celebrações nas casas dos moradores. Em 1991, outro mutirão deu-se início com o nome Novo Jardim, sendo construídas 82 casas. No final deste mesmo ano as casas estavam bem adiantadas e o Padre Ernesto Barcelos foi convidado para celebrar com os mutirantes. Num domingo, às 10:00 horas, o Padre Ernesto celebrou, motivando a esperança das famílias reunidas. Assim, a partir deste dia, sempre que podia, vinha celebrar. E foi em uma destas celebrações, que colocou o desejo e o sonho de ver ali, surgir uma comunidade formada por dois mutirões: Nova Conquista e Novo Jardim.

No ano de 1992, deu-se a conclusão das casas e os moradores ocuparam-nas já pensando na continuidade das celebrações aos domingos no horário das 10:00 horas. Ainda em fase de organização, contavam com a equipe de Liturgia da comunidade São Geraldo que dava assistência nas celebrações e traziam a Eucaristia Consagrada. Celebravam debaixo de uma varanda que era usada como refeitório do mutirão durantes os trabalhos de construção. Havia um galpão onde se realizavam as assembleias com os mutirantes.

Terminando as construções do mutirão, esse galpão foi usado para uma Associação de Amparo aos Idosos, para a qual foi escolhido o Senhor João Batista Correa como tesoureiro.
Nesse galpão de tábuas eram realizadas promoções, festas com o forro para angariar fundos para a associação.

Quando esse forró passou a incomodar os vizinhos, surgiu a idéia de usar o galpão somente para reunir a comunidade. Unindo forças, João Batista, João Antônio e suas esposas deram início à preparação para que se fundasse a comunidade almejada pelo Padre Ernesto para uma reunião e disseram não concordar com celebrações no mesmo lugar de dança. Padre Ernesto colocou que ele nunca tinha visto o mal vencer o bem e que era para continuarem celebrando dentro do galpão porque ele tinha certeza que um dia o mesmo se tornaria a Igreja da comunidade.

Num domingo, o salão foi encontrado muito sujo, sendo necessário uma limpeza ampla e assim as mulheres carregavam água da casa da vizinha para fazer a limpeza. Após tudo limpo, João Batista tomou a decisão e colocou o cadeado no galpão.

À tarde foram colocar o som, como estava fechado, procuraram o coordenador da comunidade, como não entraram em acordo o galpão permaneceu fechado. A dança do forró ainda continuou do lado de fora mas, como tinha muita poeira foi realizado somente dois forrós e assim desistiram. Nesse período chagava o mês de maio e a comunidade pequena começou a se organizar com orações em homenagem a Maria, com agradecimentos e convites à participação de todos.

No início quando se começou a celebrar não se tinha o Santíssimo na comunidade. O mesmo foi trazido para a comunidade no dia 06 de janeiro de 1993 pelo Padre Irany. No ano de 1993 algumas pastorais foram formadas: Comissão Financeira, Catequese, Liturgia, Grupo de jovens ( LUPE), Conferência , Pastoral Familiar. Em 1994 chega a proposta de se ter a presença das Irmãs Filhas do Sagrado Coração de Jesus na Paróquia Cristo Rei. Realizou-se um encontro de todas as comunidades para discutir o assunto. Junto com o Padre Ernesto, ficou decidido que as Irmãs fariam uma visita a todas as comunidades da Paróquia, depois realizou-se uma eleição para decidir qual comunidade ficariam morando. Para isso, cada comunidade apresentava o motivo porque queriam as irmãs , e o da comunidade foi que já se falava na construção do mutirão 1° de Maio e que a presença delas seria muito importante para a integração das pessoas desse mutirão com a comunidade.

Em 1995 realizou-se a eleição e a comunidade ganhou com diferença de um voto. A partir daí começou-se a trabalhar na acomodação das irmãs. A primeira morada foi num barraco na Av. Novo Jardim, depois houve reuniões e procura de lote para construir. Até que a Prefeitura deu o terreno perto da comunidade, na Av. Novo Jardim n° 459, no ano de 1997. A partir dessa data, as irmãs começaram o incentivo a construir uma Igreja, fazendo a comunidade entender que o salão era bom, mas poderia melhorar. A comunidade era pobre, mas com muita confiança, força e vontade iniciaram-se a batalha por uma nova casa, primeiro com a Prefeitura pela liberação do terreno. De 1995 a 1998 a comunidade realizava eventos como partilhas, festas, encenação da Semana Santa, que contava com muitos figurantes. No ano de 1999 houve eventos preparando a comunidade para o Novo Milênio e assim o Santíssimo veio para a comunidade definitivamente e infelizmente aconteceu uma tragédia na comunidade. A mesma foi invadida e o sacrário foi quebrado, as Hóstias consagradas foram todas espalhadas pelo chão, as âmbulas fora quebradas, as imagens, inclusive a de Nossa Senhora Aparecida foram todas quebradas. Foi horrível! Houve comoção e emoção. Pessoas vinham de outras comunidades para presenciar aquele ato agradável na comunidade. Com a presença das Irmãs Paula e Benarda e também com a presença de D. Lara que ajudaram a organizar o povo e a comunidade, no mesmo dia, descobriu-se quem tinha causado esta tragédia, sendo um jovem da própria comunidade. Não se sabe porque fez isso.

No ano de 2000 continuou a luta para conseguir a área da Igreja. No final de 2001, no dia 10 de novembro, já iniciou-se a construção da Igreja. Foram momentos inesquecíveis pela doação das pessoas, tanto do material como na mão de obra. Nesse mesmo ano foi feito uma eleição para a escolha do nome da comunidade que passou a chamar-se: “Comunidade Nossa Senhora Aparecida”. Houve escolha de novo horário: 08:30 da manhã para a celebração dominical. Depois, a pedido de um grupo de catequistas, o Padre José Luiz autorizou outro horário, às 18:00 horas, pois os catequistas trabalhavam com a catequese no horário da manhã na E. E. Laura Xavier Santana que cedeu salas para a comunidade.

Com dois horários de celebrações se organizou também o dízimo que era muito pouco. Participando com a nova construção, o dízimo cresceu e no ano de 2003 tornou-se pastoral. Começou então sua caminhada, se organizando melhor, formando equipes de agentes pastorais, um casal para cada horário, e sendo iniciado uma ampla conscientização com mensagens, cartões de natal, sorteios todos mês de uma bíblia entre todos os dizimistas da comunidade, livro com terço para os aniversariantes de cada mês.

E assim, hoje a comunidade caminha, apesar de todas as dificuldades, mas sempre unida e em busca de evangelizar sempre e construir um pouquinho do Reino de Deus.

Missas / Celebrações:
Quinta-feira: 07h
1ª quinta-feira: 19h30 – Adoração ao Santíssimo
Domingo: 08h30 e 18h

Igreja: Aberta somente nos horários de reuniões, missas/celebrações, encontros

Informações:
Lúcia (zeladora)
Vanir Teixeira

Reuniões:
– Conselho Pastoral Comunitário(CPC): 1ª quarta-feira às 19h30
– Conselho Econômico e Administrativo Comunitário (CEAC):Uma vez ao mês
– Liturgia: 2º sexta-feira – 19h30

Catequese:
Sábado de 14h30 – 16h (1ª a 4ª etapa) / 16h – 17h30 (5ª a 9ª etapa)

Coordenação da Comunidade:
Shirley Maquilane Andrade de Menezes

Secretária CPC:
Marly de Fátima Pereira Braz

Conselho Comunitário para Assuntos Econômicos (CCAE):
João Batista Correia – Coordenador
Sílvia Oliveira Silva – Tesoureira
Lucas Lúcio da Costa – secretário

Catequese:Maria da Penha Santana
Ana Cláudia

Pastoral Familiar:Onofre Agostinho
Generino Alves

Pastoral da Liturgia:Vanir Teixeira Chumbo
Daniela Alves Leite
Maria Madrona

Ministério de Música:Daiane Cristina Justo Sobrinho
Lúcia Aparecida de Oliveira Correa
Ludiana

Terço dos Homens: Juarez
Jorge Almiro de Abreu

Terço da Sagrada Face:
Luzdivina Maria da Cunha Costa (Divina)

Juventude Missionária – JUMPP: Cirlene Santana
Vanir Teixeira Chumbo

Conferências – SSVP (Conselho Particular São Pedro):
Maria Ducarmo

Equipe de Acolhida e SSVP (apoio):
Paulo Roberto da Silva Sousa
(Paulinho)

Ministério dos Coroinhas: Graziela Aparecida

Pastoral da Criança: Geralda Aparecida

Dízimo: Claudilene Aparecida Silva

Grupo de Reflexão:Luciene de Paula

Pastoral do Batismo:Henrique Armstrong Carvalho Rodrigues
Elizabeth Aparecida Silva

Comipa – Bloco Discípulos e Missionários (Missão):
Lúcia Catarina
Eliane

Infância e Adolescência Missionária (IAM – Comipa):
Daiane Cristina Justo Sobrinho

Pastoral Vocacional (SAV): Cirlene Santana
Pastoral da Comunicação Agente: Vanir Teixeira Chumbo

FacebookWhatsAppTwitter