Mês das Vocações

4 de agosto de 2020

Temos a grata satisfação de comemorar, neste mês, a centésima edição do Informativo da Paróquia: “Anúncio em Ação”. São 11 anos de informação, formação e notícias da Igreja, das Pastorais, dos Movimentos e Serviços, sabendo que houve um período em que o Informativo era bimensal e não mensal, como é hoje.

Em meio à crise da Pandemia do Covid-19, iremos celebrar este mês dedicado às Vocações e estaremos unidos em oração para que tenhamos paciência neste processo de reabertura gradual das Igrejas, com o público reduzido, com as limitações que são impostas pelo Bispo Diocesano, as autoridades do Município e os Agentes de Saúde.

Quero convidar você para fazer, em sua casa, alguns momentos de oração, com o Material dos Grupos de Reflexão, que estarão disponibilizados nas Mídias Sociais e na Secretaria da Paróquia. Reze pelas vocações e priorize a Semana Nacional da Família, que neste ano traz como tema: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24, 15).

O Catecismo da Igreja Católica diz: “O lar cristão é o lugar em que os filhos recebem o primeiro anúncio da fé. Por isso, o lar é chamado, com toda razão, de “Igreja doméstica”, comunidade de graça e de oração, escola das virtudes humanas e da caridade cristã” (1666 CIC). Nesse tempo de pandemia, em que estamos tendo limitações para irmos às igrejas, a casa tornou-se lugar por excelência da prática cristã. É em casa que podemos acompanhar as celebrações pela TV, internet, pelo rádio e outros meios. É uma forma de estar em comunhão com toda a Igreja e sermos Igreja! Teremos, também, uma boa ocasião em que a família possa passar algum momento em que todos os seus membros possam ler a Palavra de Deus, refletir sobre ela, fazer, todos juntos, momentos de oração. Tudo isso fortalece os laços familiares e a própria fé. E assim a “Igreja doméstica” é o lugar do testemunho da fé e da Igreja viva!

“O objetivo principal do Mês Vocacional é animar e reanimar as comunidades, paróquias e dioceses que rezem pelas vocações de forma especial incentivando as orações e promovendo as vocações em cada realidade e da sua maneira”, destaca o coordenador nacional da Pastoral Vocacional.

Rezaremos pelas vocações do Leigo e da Leiga. É bom lembrar que o papel do Leigo e da Leiga não é ficar dentro da Igreja e clericalizar, mas sim, fazer-se presente nos diversos ambientes sociais, levando a mensagem de Jesus Cristo, semeando os valores evangélicos da solidariedade e da justiça, empenhando-se, decisivamente, na construção da sociedade justa, fraterna e solidária, sinal do Reino de Deus. Trocando isso em miúdos: os Leigos e as Leigas são agentes inseridos no contexto sociopolítico em que, por suas ações e convicções evangélicas, inculturam o Evangelho. No trabalho, na economia, na política, na cultura, na educação, na arte, onde quer que estejam e atuem, sejam sinal eclesial de mudanças e evangelização pelo testemunho da fé e da caridade. “Não é preciso ‘sair’ da Igreja para ‘ir’ ao mundo, como não é preciso ‘sair’ do mundo para ‘entrar e ‘viver’ na Igreja” (Doc. 105, nº 166, CNBB).

Todos nós fomos chamados pelo Senhor para trabalhar em sua messe, mas infelizmente, muitas vezes, abandonamos esse trabalho para cuidarmos de outras “messes”: do egoísmo, do comodismo, da intolerância, da discriminação e corremos o risco de tomar posições que vão contra o ensinamento de Jesus e da Doutrina Social da Igreja.

Sabemos que quem coloca a vida a serviço não vai agradar a todos e nem deve ser esse o nosso objetivo, pois nem Jesus agradou. Não será você como Leigo e eu como Sacerdote que vamos agradar. O importante é desempenhar com amor o nosso serviço, tendo a plena certeza de que é Deus quem nos chama e que Ele quer contar conosco. Que possamos ter a consciência de São Paulo: “Ai de mim se eu não evangelizar” (1Cor 9,16), como serviço gratuito e não como status ou com desejo de poder, pois isso joga por terra o nosso desejo de evangelizar verdadeiramente. Jesus nos preveniu: “Aquele que põe a mão no arado e olha para trás não é apto para o Reino de Deus” (Lc 9, 62). Precisamos, ao colocar a vida a serviço, estar mais conscientes da missão de construtores do Reino de Deus e não de uma ideologia que explora e que semeia a violência e a desigualdade.

Neste tempo de Pandemia do Coronavírus, pudemos perceber o quanto cada pessoa é importante em nossa cainhada de Igreja. Cada uma com seu jeito de ser, oferece o que tem para o bem do Reino e da Igreja. Acredito, que você, como eu, sentimos até a falta de nossas reuniões e às vezes, de nossas chatices, pois percebemos o que há de maravilhoso em cada pessoa que está na caminhada evangelizadora. Quero Agradecer a cada Leigo e a cada Leiga que tem colocado a sua vida à disposição, nas Pastorais, dos Movimento e Serviços, na Paróquia São Geraldo. Sei o quando é desafiante e ao mesmo tempo gratificante a missão de dedicar-se à causa do Reino de Deus. Obrigado pela sua dedicação e seu serviço!

Pe. Hideraldo Veríssimo Vieira
Pároco

FacebookWhatsAppTwitter