Dezembro: tempo de esperança e amor

2 de dezembro de 2020

Estamos chegando ao final de 2020, um ano em que estivemos convivendo com os limites do Isolamento Social, devido ao COVID-19. Acredito que ainda estamos apreensivos, quando vemos que a Pandemia não acabou e que alguns países estão vivendo a segunda fase de infecções. Somos frágeis e devemos cuidar-nos e cuidar das pessoas para que possamos vencer essa crise.

Dezembro chegou e com ele o tempo do Advento e as Festas Natalinas. No Advento, que é o primeiro tempo do Calendário Litúrgico, vamos preparar os caminhos para que possamos acolher o Menino Jesus. Vamos viver as seguintes etapas neste período:

*Nas duas primeiras semanas do advento, a liturgia nos convida a vigiar e a esperar a vinda gloriosa do Salvador. Um dia, o Senhor voltará para colocar um fim na história humana, mas o nosso encontro com Ele também está marcado para logo após a morte.

*Nas duas últimas, lembramos a espera dos profetas e de Maria. Nós nos preparamos, mais especialmente, para celebrar o nascimento de Jesus em Belém. Os Profetas anunciaram esse acontecimento com riqueza de detalhes; “Nascerá da tribo de Judá, em Belém, a cidade de Davi e seu Reino não terá fim.”

Neste período do Advento, a tradição da Igreja ensina-nos a usar a Coroa do Advento, que é composta por quatro velas nos seus cantos – presas aos ramos formando um círculo. A cada domingo acende-se uma delas. As velas representam as várias etapas da salvação.

Começa-se no 1º Domingo, acendendo apenas uma vela; e, à medida que vão passando os domingos, acendem-se as outras velas, até chegar o 4º Domingo, que é quando todas devem estar acesas. Os ramos em círculo são de cipreste, de pinheiro ou de outra árvore ornamental. Esses ramos são usados para lembrar a esperança cristã, ela é alimentada com a proximidade do Natal. O círculo não tem princípio nem fim. É sinal do amor de Deus que é eterno e, também, da nossa ininterrupta dileção ao Criador e ao próximo.

O ciclo do Natal celebra o prolongamento da solenidade que comemoram os dias 24 e 25 de dezembro, estendendo-se à Festa do Batismo do Senhor. Entre o Natal e o Batismo do Senhor Jesus, celebramos: a Sagrada Família, a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, a Solenidade da Epifania do Senhor. Com a Festa do Batismo do Senhor, termina o tempo do Natal. O Pai apresenta o Seu Filho: “Este é o Meu Filho amado, em Quem Eu Me comprazo! ” (Mt 3,17). Com esta festa encerra-se o ciclo de festas da Manifestação do Senhor. A Igreja, mais uma vez, renova sua certeza, e vive essa graça, experimenta-a e anuncia ao mundo: “O Verbo Se fez carne e habitou entre nós e nós vimos a Sua glória! ” (Jo 1,14).

Para que possamos viver este tempo de Advento e Natal peço a você que procure participar da Novena de Natal com sua família ou na Igreja de sua Comunidade (observando as medidas de proteção), pois devido a pandemia do Coronavírus não é aconselhável que aconteça a reza nas casas, como fazíamos sempre.

Neste ano, a Novena está em sintonia com a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), que nos convida a refletir sobre a PALAVRA e traz como tema: “O povo que andava nas trevas viu uma grande luz” (Is 9,1). “Nesta Novena do Natal de 2020, contemplamos a Palavra, pilar da Igreja, casa do povo de Deus. Jesus é o semeador divino! Continua a semear no coração dos homens a sua Palavra de Salvação. A Novena convida-nos para a catequese em nossas casas, reunindo todas as pessoas que estavam distantes. Com a ternura materna de Maria e o silêncio oblativo de José, acolhemos, protegemos, promovemos e integramos em nossa casa todas as famílias, para a festa da Encarnação do Verbo de Deus. Com este livreto da Novena, vamos percorrer o caminho litúrgico do Advento, na unidade eclesial, refletindo, com simplicidade doméstica, a chegada do Menino Deus que sempre vem ao nosso encontro para nos salvar e garantir a vida! ” (CNBB)

Que o Deus Menino possa fortalecer-nos, para que tenhamos serenidade, neste tempo de Pandemia do COVID-19, que não acabou e que possamos, a exemplo do Deus Amor, cuidar uns dos outros, com carinho e solicitude. Que possamos aquecer os nossos corações com o clima de Natal e transmitir esse amor a todos que nos rodeiam.

Feliz Natal e um Ano Novo com a esperança de dias melhores!

Padre Hideraldo Veríssimo Vieira
Pároco

FacebookWhatsAppTwitter