Um Feliz e Santo Ano de 2021

5 de janeiro de 2021

“Eu pensei que 2020 seria o ano de conquistar tudo que planejei. Mas 2020 foi o ano de aprender a valorizar tudo aquilo que eu já tenho”. Eis o que precisamos fazer ao iniciar este Novo Ano. Afinal, o ano que passou foi de muitas mudanças para todos nós. E sei que jamais esqueceremos o que vivemos com a Pandemia do COVID-19.
Janeiro chega e com ele a ESPERANÇA de dias melhores, pois vivemos momentos difíceis os quais mudaram o rumo de nossas vidas. Muitas famílias não puderam se encontrar para viver as tradicionais festas de natal e ano novo e vamos iniciando este ano com as limitações que a Pandemia está nos impondo, o distanciamento e tantos outros cuidados, no sentido de preservar a nossa vida, a vida de nossos amigos e amigas e de nossos entes queridos.
“Eis que eu estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos” (Mt 28, 20). Estas palavras de Jesus, dirigidas aos discípulos, dão-nos a certeza de que não estamos sozinhos diante dos problemas, desilusões, sofrimentos, crises, pandemias, etc. Ele caminha conosco. Estamos vivendo um tempo difícil da Pandemia do Novo Coronavírus (COVID-19), em que parece custoso ver a presença do Senhor junto a nós. O Papa Francisco, na Praça de São Pedro vazia, expressou bem: “Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo dum silêncio ensurdecedor e um vazio desolador, que paralisa tudo à sua passagem: pressente-se no ar, nota-se nos gestos, dizem-no os olhares. Revemo-nos temerosos e perdidos”. Mas a narrativa dos discípulos de Emaús, nos dá a certeza de que nas noites escuras da vida e da história, o Senhor permanece conosco, Ele caminha conosco” (Lc 24, 13-35). (Fonte: Pandemia e pós-pandemia: dez pontos para reflexão – VaticanNews)

O vírus não mudou apenas a rotina do comércio, não afetou apenas a economia, não mudou somente o nosso modo de lidar com os outros e estabelecer relações sociais, mas mudou também a maneira de viver a fé.

Abriram-se as janelas de 2021 e o que virá para a humanidade e para cada um de nós? Qual será o legado desse momento, de Pandemia, que ficará para a posteridade? Acredito que um ponto marcante é o ter que viver a IGREJA DOMÉSTICA e ter que nos organizarmos para as Missas, inicialmente por meio das Rádios e Redes Sociais e depois, a Missa com o público reduzido. Ainda é orientado que os idosos e pessoas do grupo de risco mantenham-se distantes das Missas e que os mesmos recebam a Sagrada Comunhão em casa. Esta pode ser levada pelos familiares. Tempos difíceis e de aprendizados. Nas Pastorais e nos Movimentos tivemos que aprender a estar distantes e não fazer acontecer os momentos de oração e as reuniões ordinárias. A solidariedade é uma marca, uma vez que fomos envolvidos na campanha: “É tempo de Cuidar”, com ações concretas, tais como: Campanha do Quilo e amparo aos irmãos que vivem na rua, como a entrega de marmitas com alimentos e distribuição de roupas e gêneros da higiene pessoal.

Muita coisa aconteceu em nossa Paróquia, neste tempo de Pandemia e pude perceber que a Igreja e seus fiéis não ficaram parados e de braços cruzados. Tivemos que nos reinventarmos para manter o “Ser Igreja Viva”.
Finalmente, uma das palavras que marcarão a nossa vida é SAUDADES. Afinal, milhões de famílias perderam seus entes queridos na luta contra o CORONAVÍRUS. No mundo, mais de um milhão e quinhentos mil mortos. E no território de nossa paróquia pudemos sofrer com a morte de pessoas conhecidas e que faziam parte de nossa caminhada eclesial.

Que o Ano de 2021 seja portador da vacina para que todos e todas possam ficar protegidos do COVID-19. Que sejamos mais sensíveis no nosso relacionamento com as pessoas que conosco convivem e possamos amar mais, pois quem AMA CUIDA. Que não percamos a esperança de que venham dias melhores.
Assim fala Santo Agostinho: “Ama e faz o que quiseres. Se calares, calarás com amor; se gritares, gritarás com amor; se corrigires, corrigirás com amor; se perdoares, perdoarás com amor. Se tiveres o amor enraizado em ti, nenhuma coisa senão o amor serão os teus frutos”.

Feliz Ano Novo com o desejo de melhores oportunidades para perdoar, amar e ser amado!

Padre Hideraldo Veríssimo Vieira
Pároco

FacebookWhatsAppTwitter