Vigília de Pentecostes com Crismandos é Realizada na Paroquia São Geraldo

24 de maio de 2021

“A Vigília de Pentecostes desta noite pode ser o início de um novo testemunho”
Papa Francisco

Ao anoitecer do dia 22 de maio de 2021, véspera do domingo que celebra a solenidade de Pentecostes, foi realizada na Igreja Matriz São Geraldo Magela em Ipatinga (MG) a Vigília de Pentecostes com os jovens que irão receber o sacramento da crisma no dia 06 de junho. Foi um momento celebrativo e orante com a participação intensa destes jovens. A liturgia cristã é muito sábia dividindo o ano com festas que indicam os marcos mais importantes da fé cristã: a encarnação, ressurreição e agora Pentecostes, que são como “toques” para despertar essa atenção.

O Espírito Santo é o “oxigênio” que nos faz respirar. Descobrir, no dia-a-dia, que o Espírito é essa Presença forte e terna ao mesmo tempo, e que, como o oxigênio para respirar, nos envolve, nos habita e nos constitui; despertar-nos para essa realidade é muito libertador. Mesmo estando em confinamento, essa Presença percebida como silêncio, como proximidade, como força, como alegria, se converte em caminho, em Vida amassada com nossa vida, e nos “levanta-ressuscita” do sonho quase apagado para conectar-nos com o Sonho de Deus, seu Reinado.

A festa de Pentecostes vem acompanhada de muitos símbolos. Um vento que levanta e dispersa o pó que estava sedimentado em nossas vidas, um fogo que aviva as brasas que estavam apagadas em nosso interior; uma luz benfazeja que nos possibilita ver com claridade o caminho que se abre diante de nós: a senda que Jesus indicou para seus seguidores (as); uma força que afasta nossos medos e derruba as paredes que dão a falsa sensação de segurança; o Espírito é a Vida mesma de Deus: na bíblia, é sinônimo de vitalidade, de dinamismo e novidade. Vento, fogo, luz, força, vida… Tudo grátis, ao alcance de nossa mão; basta abrir-nos à presença inspiradora e mobilizadora do Espírito. O dia da festa de Pentecoste é, de verdade, a festa dos homens e mulheres livres como vento, festa do novo nascimento. E, neste mundo, começará a ser possível a harmonia da liberdade com a igualdade, à comunhão com o respeito à diversidade, a verdade com a acolhida do novo. Viver uma “vida segundo o Espírito” é deixar-nos recriar, deixar-nos mover, transformar, alargar.

Vilton Cantarino Silva – Pastoral da Comunicação.
Fotografias: Adriana Sousa: Coordenação Paroquial de Catequese – EPAC
Fonte: site Catequese hoje

FacebookWhatsAppTwitter

Veja também